escola.jpg 

Não tem erro: quando ao mesmo tempo em um mesmo lugar muita gente está seriamente envolvida em trabalhos artísticos, literários ou musicais, é muito grande a chance de sair alguma coisa senão muito boa, pelo menos muito característica. Se tratando de música, mais especificamente eletrônica, “escolas” localizadas em determinados países, regiões ou cidades sempre foram responsáveis por marcar períodos ou causar mudanças de rumo profundas, que refletem invariavelmente em pistas de dança de Tóquio a São Paulo.

Foi assim com o techno de Detroit, com o goa trance, com a house de Chicago, ou ainda com seus momentos ítalo, french ou balearic, para lembrar alguns estilos mais conhecidos. Recentemente, Berlim se tornou espécie de capital mundial das linhas minimalistas, e a Suécia gerou uma escola de house à la bombação liderada por Eric Prydz (logo vou escrever algo só sobre Mr. Eric) e que tem até nome oficial, The Swedish House Maffia.

Desconfio que Israel, provavelmente único país onde o psytrance fez mais sucesso do que o Brasil, pode ser a próxima bola da vez, mas com um material de qualidade bem superior ao psicodélico. Guy Gerber, Shlomi Aber, Itamar Sagi, Gel Abril, Moshic e Zidan: todos estes nomes estão lançando uma quantidade imensa de ótimos trabalhos, oscilando entre minimal, techno, house e trance. Tudo de uma vez só e muito caprichado. Com uma marca própria de melodias interessantíssimas, os israelenses estão aos poucos deixando um sinal bastante particular na história da eletrônica. É só um palpite, mas acho que ainda vem muita coisa boa do pessoal de Tel-Aviv.

E o Brasil, onde fica nesta história toda? Enquanto nossos vizinhos argentinos já se gabam de ter uma escola própria de “deep-progressive”, por aqui estamos à véspera de um boom de bons produtores. Na verdade esse boom já está acontecendo, dada a quantidade de gente trabalhando em estúdios ou nos seus próprios computadores de casa. Curitiba mesmo tem produtores excelentes como Rafael Araújo e Ilan Kriger. Mateus B, cria de Araújo e Ilan, faz música de primeira linha também.

Mas falta, ao que parece, um afinamento maior entre todo esse pessoal que anda produzindo. Fica aquela impressão de que temos excelentes DJs que têm preguiça de produzir, e uma massa de produtores meia-boca, com algumas exceções como o paulistano Gui Boratto, sem dúvidas o produtor mais talentoso que o Brasil já viu (não por acaso, alcançou sucesso mundial em questão de 2 anos).

Que me perdoem os grandes dinossauros da discotecagem nacional, mas foi-se o tempo que saber conduzir uma pista bastava para fazer o nome de um DJ. Produzir já é quase um pré-requisito para quem quer entrar na panelinha dos grandes músicos da eletrônica, sem prejuízo, é claro, de saber fazer um bom set.

Mas enquanto não surge essa brazilian school, o jeito é prestigiar o trabalho de quem já manja do ofício por aqui: Gui Boratto se apresenta na EON nessa quinta-feira, 12 de julho. Vale a dica até para o pessoal mais chegado ao rock que acessa o blog, e o Diogo pode confirmar que o live de Boratto é excelente, com direito à guitarra e tudo mais. Em tempo: Ilan também se apresenta nesta noite.

Para entender melhor tudo isso, escute:

“Guy Gerber – Stoppage Time” – Como diriam na Inglaterra: it´s fucking epic. Foi a faixa que lançou Gerber, e é de 2004. O israelense acabou de lançar Late Bloomers, álbum que já está disponível pra ouvir/comprar no Beatport. Dá uma olhada que vale a pena: www.beatport.com).

“Gui Boratto – Beautiful Life” – Outra pérola, provavelmente a faixa mais conhecida de Boratto. O vocal gruda, mas neste caso isto não é problema algum, eu garanto. Também disponível no Beatport ou no http://www. myspace.com/guiboratto.

No mais, vale a visita ao MySpace dos produtores curitibanos citados:

www.myspace.com/nylonsoundz
www.myspace.com/ilankriger
www.myspace.com/mateusb

**** 

Aproveitando que eu falei de balearic house, adianto que logo logo o musicness irá ganhar uma colaboradora internacional “catalana“, com notícias diretamente das ilhas baleares. É esperar para ver 🙂 

Publicado por João Anzolin

Anúncios