kubik12.jpg 

Conforme o prometido, diretamente da Generalitat de Catalunya, Andrea Greca estréia no blog:
“Galeraaa, olhem esse lugar que eu fui ontem aqui em BCN: www.kubikbarcelona.com.

A pista fica dentro de uns cubos de acrílico verde fluor que não param de piscar (o duro é conseguir tirar foto quando estão todos acesos).

A entrada  e o bar são uns quadrados rosa, aí vc desce uma escadaria e lá está o labirinto de Legos verde-kryptonita. Parace um filme do Kubrick na verdade – com o perdão do trocadilho. Custa só 5 euros p/ entrar e a crowd é super animada! Vibe ótima, mas um pouco de weirdos demais. Enfim, Barcelônia.

A música estava bem ruim, uma mulher andrógina tocando com 2 iPods uns breaks, Benny Benassi, DnB, aí house…uma mescla total sem sentido. Mas quem precisa de música perfeita quando o teto do clube é um céu super estrelado? E eu já desisti, porque aqui o bom gosto musical definitivamente não impera. Acho que aí seria bom demais p/ ser verdade…

Maaaas “when it comes to design” e idéias inovadoras os espanhóis, sorry, os catalãos, comparecem. Na verdade, o conceito é de um bando de designers/ arquitetos alemães (esses sim, imbatíveis), que se auto-definem como “urbanistas e planejadores ambiciosos”.

Fica no Parc del Forum (onde foi tb a Secretsundaze pós Sónar, mas em outro lugarzinho lá dentro), no meio do nada, na parte nova da cidade, que ainda é bem pouco habitada. Nas minhas fotos não dá p/ ver, mas atrás do cubo é a praia de Nova Marbella, a menos piorzinha do aterro que insistem em chamar de praias aqui em Barcelona. Depois teve um after num lugar chamado Sound Factory, para o qual eu não fui, porque ali acho que música realmente importaria bastante.

Tem Kubik também em Berlim e Lisboa.”

kubik2.jpg

Assim que a Andrea passar o vídeo, disponibilizo aqui 🙂

Texto de Andrea Greca, publicado por João Anzolin

Anúncios