Bonde do Rolê

Fui convidado pelo pessoal do .::musicness::. para escrever aqui um pouco da visão de um carioca sobre o show do Bonde do Rolê que aconteceu em Seattle no Neumo’s, na última quarta-feira, dia 26 de setembro. Não há como negar, minha primeira impressão ao imaginar uma banda curitibana fazendo funk carioca soou tão estranho quanto desfile de escola de samba paulista.

Mas todo esse preconceito foi por água abaixo ao ouvir o álbum do trio (With Lasers). Definitivamente eles fizeram bem o serviço e conseguiram captar toda a batida e displicência dos MCs cariocas. A dúvida maior passou a ser se teriam cacife suficiente para segurar uma platéia inteira de gringos que não entendem uma só palavra de suas por vezes impublicáveis letras.

Dois minutos depois de subirem no palco toda a casa já estava contaminada pela batida, e num pancadão atrás do outro, ficou muito mais claro que eles ali em cima se divertiam mais do que todo mundo, o que não significa que o povo estava parado de braços cruzados, pelo contrário, todos dançavam funk, cada um a sua maneira, claro.

Já extasiado com a desenvoltura do Bonde, me juntei a amiga Ana Karina Sato e num raro silêncio entre as músicas gritamos o clássico: “TOCA RAUL!!!”. Fomos respondidos de bate-pronto: “Viva, viva, viva a sociedade alternativa!”. O resto da platéia fez uma cara de que diabos está acontecendo aqui, enquanto eles (e nós) ríamos. Uma prova mais do que concreta que a banda está não só curtindo o momento, como está se sentindo super à vontade.

No final ficou a certeza que se depender do Bonde do Rolê, o funk carioca deixará de ser um ritmo carioca e, porque não, logo, logo, deixará se ser um ritmo típico da nossa terra brasilis.

Videozinho com um trecho da apresentação:

Texto enviado por Rodrigo Hermann, carioca da gema radicado em Seattle

Anúncios